Criador de 'Lost' fará filme de livro inspirado pelo 11 de Setembro

'Livro é muito cinematográfico', diz autor de 'Let the great world spin'.

Volume questiona capacidade de recuperação dos EUA pós-catástrofe.



Foto: Divulgação
Detalhe da capa do livro 'Let the great world spin' (Foto: Divulgação)
O diretor e roteirista J.J. Abrams, criador da série "Lost", levará ao cinema o livro "Let the great world spin", do irlandês Colum McCann, que ganhou o prêmio nacional de literatura dos Estados Unidos em 2009.

McCann confirmou em entrevista que atualmente trabalha com Abrams em um roteiro para adaptar o livro para os cinemas. "Estou escrevendo o roteiro com Abrams e realmente acho que vai ser um bom filme, porque o livro é muito cinematográfico", explicou.

O escritor disse que não pode dar mais detalhes, embora esteja "tranquilo por estar nas boas mãos de um mestre do cinema".

McCann, que também é autor dos livros "Zoli", "Dancer" e "The slide of brightness", reconheceu que sua obra é influenciada pela linguagem do cinema, mas assegurou que, apesar de um ou outro flerte com a sétima arte, pretende "ser fiel" a seus livros para "sempre".

"Let the great world spin" é um retrato da Nova York dos anos 70. Ele cruza a história de vários personagens que observaram na época o artista francês Philippe Petit passar de uma Torre Gêmea a outra em um corda bamba.

Além do Prêmio Nacional de Literatura, o autor ganhou o respaldo de grande parte da crítica, que considerava o romance um dos melhores livros sobre Nova York.

11 de Setembro foi inspiração

Embora a obra transcorra em 1974, o texto nasceu do "desejo específico" de McCann de escrever sobre os atentados de 11 de Setembro de 2001 contra o World Trade Center e de fazê-lo "de uma maneira nova".

"Não queria escrever diretamente sobre o 11 de Setembro, mas em um nível mais poético, portanto criei uma alegoria entre a cidade dos anos 70 e a de agora. Tentei pensar na arte da criação, exemplificando na façanha de Petit, em contraposição à arte da destruição que significou os ataques terroristas", explicou.

Para o autor, o livro questiona "se uma nação, como um ser humano, é capaz de se recuperar de uma catástrofe dessa magnitude".

Ele fala com carinho dos personagens que povoam o romance: um sacerdote irlandês que vive entre prostitutas no Bronx e um grupo de mães se reúnem para chorar os filhos mortos no Vietnã.

Título deve ser lançado no país

Os livros de McCann já foram traduzidos para 30 línguas e o "Let the great world spin" deve ser publicado no Brasil em setembro com o nome "Deixe o grande mundo girar".

"Espero que os leitores encontrem em meu livro a decência que quero transmitir e a noção que todos somos, em muitos sentidos, como é o artista na corda bamba".

McCann era muito amigo de outro irlandês estabelecido em Nova York, Frank McCourt (1930-2009), autor de "As cinzas de Ângela" com que é comparado com frequência. Ele assegura que, "apesar de suas diferenças literárias", via o escritor como "um irmão" cuja morte ainda sente.

Fonte: http://g1.globo.com

0 comentários: